Coluna "Caixa Urbana", da edição de 17/01/1926 do Correio do Povo.

CAIXA URBANA – Correio do Povo, 17/01/1926

Coluna "Caixa Urbana", da edição de 17/01/1926 do Correio do Povo.
Coluna “Caixa Urbana”, da edição de 17/01/1926 do Correio do Povo.

“O Becco do Rosario

A demolição do antigo Becco do Poço [*] expulsou a gentalha ali habitante – que, afinal, devia encafuar-se em alguma parte. A mesma gentalha, entretanto, aprecia e prefere o centro da cidade: não as artérias principaes, – o que, então, seria o cumulo! – mas as transversaes, que são precisamente a caterva de beccos que infestam o coração da ‘urbs’.

Assim, e não existindo disposição municipal moralisadora alguma, o ‘pessoal’ afugentado procurou acomodar-se numa especie, assim, de succursal: o antigo Becco do Rosario. E com o inseparavel accrescimo: os tumultuarios ‘habitués’, que formam a fina flôr da capadoçagem porto-alegrense.

Releva notar que as vielas transversaes vão, todas, desembocar ou nascer ou, ainda, encravar-se nas ruas principaes do centro, de movimento quotidiano forçado em todas as horas e de habitação familiar. Pois as desordens, os debóches, todas as incoveniencias revoltantes da ralé estão a atormentar pavorosamente os transeuntes e os moradores proximos do famigerado Becco do Rosario. A coisa tem proporções: desenvolve-se da rua Vigario José Ignacio á Senhor dos Passos, quasi todo o perimetro da má afamada e mal cheirosa rua 24 de Maio.

O sarilho é constante: diaria e nocturnamente. De permeio, quitandas asquerosas ou bodegas ignobeis a empestar a atmosphera. E, a coroar tudo, os ajuntamentos repulsivos, quadros de miseria e de revolta, os outros, as outras… Ora, a policia, se não póde eliminar aquillo, póde, ao menos, attenual-o um pouco.

Este é o pedido, não muito exigente, de algumas familias das imediações e endereçado, por nosso intermedio, a quem de direito.”

**atual av. Borges de Medeiros, “[…] uma ruazinha em curva, continuação da Rua do Poço, hoje conhecida como Jerônimo Coelho.” (TERRA, Eloy. “As ruas de Porto Alegre – Vol. 2” Porto Alegre: AGE Editora, 2002. P. 21)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s