Tutorial de colorização digital

Privilegio antes de tudo a ambientação. Imagino que uma certa luz banha a cena e que esta luz vai impregnar todos os objetos. Depois, coloco algumas áreas de cores que se contrapõe à cor dessa ambientação geral. […] Desde o volume 7 de FOG eu faço as cores no Photoshop. Mais mesmo quando eu trabalhava manualmente sobre [uma cópia da página impressa em] azul, com pincel e aerógrafo, eu fazia a colorização com áreas de cores sólidas, com uma paleta limitada. Passando para a técnica digital, minha abordagem permanece a mesma e a isso o Photoshop se presta muito bem. O perigo da técnica digital é que podemos controlar tudo. Por exemplo, graças às ferramentas de seleção e de zoom, podemos chegar a um nível de precisão que nos permite impedir que a cor extrapole minimamente o contorno do desenho. Me dei conta de que as imagens perdiam com isso seu dinamismo, sua espontaneidade. Os pequenos erros de pintura que criam uma vibração e dão vivacidade às imagens fazem falta aí. Por isso que, desde Chambre Obscure, eu cultivo a imprecisão, eu deixo a cor extrapolar os contornos nos planos de fundo. [1]

Encontrei na descrição de método de colorização do francês Cyril Bonin um excelente resumo do que considero ser a abordagem mais direta para a pintura de um desenho, e a que tenho usado constantemente. Este tutorial, portanto, é baseado quase que inteiramente neste modo de pensar as cores, e descreve brevemente os passos que tomo para pintar um desenho.

 1.Preparo da imagem

Escanear o desenho em resolução de 600 dpi e salvar em TIFF, sem compressão para preservar a qualidade da imagem.

No Photoshop, coloca-se a imagem em modo CMYK (Image > Mode >CMYK color), colocando o desenho na camada de topo e no modo Multiply/Multiplicação. Cria-se a camada de pintura logo abaixo. É importante trabalhar apenas com o número de camadas necessário.

camadas-e-multiply
Figura 1. Imagem no modo CMYK e colocada na camada de topo no modo Multiply

Nesse estilo, usa-se pincéis duros e com 100% de opacidade.

configuracao-de-pinceis
Figura 2. Configuração de pincel recomendadas.

2. Escolhendo uma cor dominante:

As cores são criadas misturando os pigmentos CMY no menu CMYK Color. Mantêm-se o pigmento K sempre com percentagem zero (0%). Quanto maior a porcentagem de pigmentos CMY, mais escura será a cor; quanto menor a porcentagem, mais clara.

mistura-de-cores-cmyk
Figura 3. Manter a cor Black/Key em 0%e trabalhar com a mistura das cores CMY

Inicia-se com um tom de fundo para dar uma cor dominante ao trabalho e, a partir dela, determinar as restantes da paleta.

selecao-com-laco
Figura 5. Camada destinada às cores-base a serem aplicadas nas seleções feita com a ferramenta Lasso/Laço

3. Aplicando as cores-baseCria-se uma camada para as cores-base e pinta-se o desenho com os tons base usando a ferramenta Laço/Lasso para selecionar uma área, em seguida usando a ferramenta Paint Bucket/Balde de Tinta para preenchê-la com uma cor uniforme.

preenchimento-com-balde-de-tinta
Figura 6. Aplicação de cor-base com a ferramenta Paint Bucket/Balde de Tinta

Ao escolher a cor, cuidar os seguintes aspectos:

– harmonizar a paleta, usando poucas cores.

– distribuição de valores: trabalhar com variações de tons claros, médios e escuros no conjunto da pintura.

– equilibrar cores vibrantes (primárias e secundárias) com cores neutras (terciárias)

4. Modelagem do volume: sombras

Ao completar a distribuição das cores-base, fazer os sombreados escurecendo o tom base através do aumento da porcentagem dos pigmentos CMY na mesma proporção do tom base.

Recortar a área sombreada com o Laço/Lasso para criar uma seleção, e preenchê-la com o tom mais escuro usando o Balde de Tinta/Paint Bucket de modo uniforme (modo de camada Normal, 100% de opacidade e 100% de fluxo). Com isso, deve-se modelar as formas de rostos, dobras de tecidos, do corpo, etc;

sombras
Figura 7. Aplicação de cor-sombra em seleção feita com a ferramenta Lasso/Laço na camada Sombras.

Para fazer pequenos ajustes nas cores, pode-se alterá-las usando o atalho CTRL+U (Matiz/Saturação/Luminosidade ou Hue/Saturation/Lightness) e aí regular o matiz, a saturação e a luminosidade da cor na área selecionada.

ajuste-de-cores-com-ctrlu
Figura 8. Painel de configuraão de Matriz/Saturação/Luminosidade pelo atalho CRTL+U

 

5. Modelagem do volume: luzes

Criar uma camada para as luzes e clarear o tom base reduzindo as quantidades de pigmentos CMY na mesma proporção.

Recortar a área de claridade com o Laço/Lasso para fazer uma seleção, e preenchê-la com o tom mais claro usando o Balde de Tinta/Paint Bucket de modo uniforme. Também cabe usar um pincel de bordas duras com fluxo (flow) reduzido. Neste caso, pincel round point stiff com fluxo de 43%.

luzes
Figura 9. Áreas de luz criadas variando o flow/fluxo de um pincel com bordas duras.

Aqui também deve-se atentar para  modelar as formas, distribuindo os tons luminosos de modo lógico e consistente com o foco de luz imaginado e o volume do objeto iluminado.

Nas áreas de sombra, pode-se fazer uma leve contraluz com um tom luminoso suave.

branco-dos-olhos-e-contraluz
Figura 10. Contraluz suave nas áreas de sombra a fim de destacar o formato da personagem. Notar que a cor das escleras (branco dos olhos) não é puro (no caso do perfil CMYK, todas as cores em 0%), mas um cinza cromático criado a partir da paleta de cores dominante.

O branco de olhos e dentes não deve ser o branco total (0% dos pigmentos CMY), mas um tom de cinza cromático muito claro e obedecendo a cor dominante. No caso dos olhos, a de ao brilho total é o branco puro (0% dos pigmentos CMY), dando uma aparência mais interessante à pintura.

Finalização e efeitos

Finalmente, pode-se acrescentar camadas de efeito como gradientes de cor em diferentes modos de sobreposição, dando assim maior movimento ao resultado final.

efeitos
Figura 11. resultado final mostrando as camadas de efeitos testados para dar uma nuance à composição original de cores.

 

7. Converter e exportar a imagem final

Finalizando a imagem em modo CMYK, ou seja, o perfil de cores próprio para impressão, cabe convertê-la para o modo RGB se for o caso de publicá-la na web. Sem isso, as cores originadas no perfil CMYK poderão ficar distoricidas. Para isso, basta ir em Image > Mode > RGB color e salvar a nova versão do arquivo.

Referências:

[1] BONIN, Cyril. “Entretien avec Cyril Bonin”. Disponível em: http://www.sceneario.com/interview/entretien-avec-cyril-bonin_HQNEP.html

PDF do Tutorial de Colorização Digital

7 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s