Remanescentes do Beco do Trem?

Segundo Sérgio da Costa Franco (1988), “algumas construções remanescentes da Travessa Dois de Fevereiro ainda podem ser vistas no lado par e no último quarteirão da Av. Salgado Filho”¹. Possivelmente, o autor refere-se a estes dois prédios que podem ser vistos junto ao viaduto José Loureiro da Silva.

Remanescentes Beco do Trem 31-8-2015_1_web_m
Figura 1. Duas construções do final do século XIX ou início do século XX. Notar a diferença de ornamentação das fachadas em relação ao edifício à direita, mais moderno. Foto da pesquisadora.
Remanescentes Beco do Trem 31-8-2015_2_w_m
Figura 2.. Duas construções do final do século XIX ou início do século XX. Percebe-se a presença de coroamento no topo dos dois exemplares, bem como cornijas e ornamentação neoclássica. O exemplar mais à direita teve suas aberturas do térreo descaracterizadas.

Pelas suas características, remontam claramente às primeiras décadas do século XX e constituem permanências da cidade daquela época em meio às construções mais modernas. Nota-se a grande diferença de altura entre as edificações da virada do século XIX-XX e as edificações mais recentes. Da mesma forma, a presença de ornamentação neoclássica (frisos, cornijas, pilastras, óvalos e gotas), a dimensão das aberturas e a presença de platibandas como coroamentos situam esses dois exemplares na virada do século XIX para o XX. Pode-se perceber que, para atender à nova função de comercial, o exemplar menor à direita teve as aberturas do pavimento térreo destruídas. Já o casarão à esquerda traz uma característica típica da arquitetura dos fins do XIX e início do XX: a entrada lateral.

Nesta imagem do Google Earth², é possível ver a implantação destes dois prédios em meio à verticalização dos edifícios à volta.

Avenida Salgado Filho - Google Earth 28-8-2017_marcado
Figura 3. Avenida Salgado Filho junto ao viaduto José Loureiro da Silva. No círculo amarelo, os dois exemplares indicados.

Como tantos outros edifícios históricos do centro de Porto Alegre, ainda que não reconhecidos como patrimônio, esses dois conferem à cidade sua singularidade e historicidade, tecendo com as edificações posteriores uma tessitura particular. Sua importância é tanto maior nos dias de hoje dada a quantidade de outros edifícios da mesma época que se encontram abandonados, deliberadamente prestes a cair, convenientemente cedendo seu lugar a projetos de valor duvidoso à cidade.

 

Referências:

¹ FRANCO, Sérgio da Costa. Porto Alegre: guia histórico. Porto Alegre: Ed. da Universidade/UFRGS, 1988. p. 138.

² Consultado em 28/8/2017.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s