“A maman do novo penteado”

Entre outras tantas mudanças na moda, os cabelos curtos para as mulheres vieram não apenas em função de uma celebridade influente, como parece querer fazer crer o articulista da revista A Mascara, mas sim de outros fatores bastante palpáveis. Já na Primeira Guerra Mundial (1914-1917), por exemplo, o trabalho feminino nas fábricas da Europa tornou impraticáveis e até perigosos os grandes volumes de cabelos que eram moda até então. A simplificação da moda feminina não se limitou unicamente ao cabelo. No entanto, fiquemos no momento com as palavras* agridoces do cronista, atribuindo à romancista, atriz e jornalista francesa Colette o início da moda dos cabelos femininos curtos:

“Os cabellos compridos, em cujas ondas os retoricos poetas do seculo lindo se afogavam provisoriamente, nas horas que lhes restavam vagas de olhar para a lua de Londres e de lamentar a Doida de Albano, fizeram decididamente a sua época. É verdade que os cabellos longos nos veem desde a primitiva Eva, mas isso não obsta, de modo algum, a que se reconheça hoje que uma cabeça de mulher possa ter o mesmo encanto, e até maior elegancia, sem essas madeixas romanticas com as quaes a costela de Adão cobria biblicamente a sua nudez paradisiaca.

De resto, a moda do cabello cortado á parte todas as vantagens que a hygiene lhe não regateia, marca precisamente uma das ‘etapes’ da emancipação por parte da mulher, de alguns dos antigos preconceitos que embaraçavam a sua liberdade de expansão intelectual e artistica e a ornavam ou a escrava do homem ou o seu objecto de prazer e nunca a companheira das gloriosas lutas pela immortalidade.

Ouvi, em tempo, a um espirituoso, esta phrase causticante para o amor proprio das mulheres: ‘elas são uns seres de cabelos compridos e de ideias curtas’. Agora, porém, registra-se, com surpresa, a inversa: começam a ter os cabellos mais curtos e as ideias mais vastas…

Todas as pessoas cultas sabem que existe, em França, uma formosissima mulher, cujo talento se revela, igualmente no theatro e na literatura e que tem o nome de Colette.

Mas o que nem todos sabem, é que foi ela quem primeiramente cortou, com o maior arrojo e graciosidade, os seus ondeados cabellos, tornando-se assim, a criadora da moda actual.

Colette Willy – ou antes Colette unicamente visto que se divorciou do escritor Willy – é autora da Claudine á l’Ecole, da Vagabonde, da Ingenue Libertine, dos Dialogues de Bêtes, das Vrilles de la Vigue, da Retraite Sentimentale e do Cheri que é na minha opinião, um dos seus melhores trabalhos.

Tem sido, tambem, a criadora e a protagonista de varios bailados – como as danças assirias em que foi magistral – de milhares de couplets – que ela diz e sublinha como ninguem – de alguns quadros de arte e até de alguns dramas; por onde se vê, que Collete tem um talento privilegiado. No entanto, ela não se limita a brilhar artistica e espiritualmente: procura, com igual cuidado ser uma das damas mais elegantes e mais originais.

Colette_ A Mascara-agosto 1925
Figura 1. Colette, reprodução da revista A Mascara, agosto de 1925. Hemeroteca do Museu Hipólito José da Costa.

 

Deste modo, ha bastantes anos tendo notado que os seus longos cabelos se não harmonizavam com a graça gavroche da sua fisionomia, pensou em corta-los para os poder exibir em revoltos caracoes.

Foi ela, pois a primeira mulher que, num gesto decidido, arroustou com a critica e com as insinuações que a originalidae sempre encontra no seu caminho.

Meses depois, outras mulheres lhe seguiram o exemplo, com grande satisfação dos cabeleireiros e com a geral antipatia masculina.

Mas, como o que é repetido se torna um habito… os homens foram se acostumando a ver desaparecer as grandes cabeleiras e a acharem um certo encanto nos cabelos curtos.

Há, porém, muitos cavalheiros demodés que lastimam profundamente a abolição dos cabelos compridos e que, ainda se enlevam na contemplação das ondas dentro em pouco raras das cabeleiras que sobreviveram á guilhotina da moda.

Colette, a mamã dos cabelos cortados, tem uma fisionomia privilegiada para este genero do penteado. Os seus grandes olhos, o seu nariz e, principalmente, a sua bôca, vermelha como uma papoula, que parece guardar um sorriso eterno, são o melhor quadro para receber a artistica moldura dos seus cabelos frisados e revoltos. Deixo-me, porém, de falar mais na sua interessante formosura, porque, melhor do que as minhas palavras, o atesta a gravura que ilustra esta cronica.

E, para provar, como a moda dos cabellos cortados está enraizada nas elegantes, basta vêr-se um gracioso desenho de Abel Faivre, em que um marido não encontra outras palavras para galantear a esposa, desvanecida pelo ultimo córte á garçonne, do que dizer-lhe que está adoravel para ser guilhotinada…

B. Delgado.

Colette_1932_(2) Wikimedia Commons
Figura 2. Colette em foto de 1932. Agence de Presse Mondiale Photo Presse, França.

*A grafia original foi mantida.

Referências:

Revista A Mascara, agosto de 1925. Hemeroteca do Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa. Porto Alegre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s