Layout x Lápis – composição na página 13

Quem faz quadrinhos sabe que planejar é uma coisa, executar é outra. E eu estou toda hora repensando meus layouts quando vou desenhar a página. Não é raro – e aqui é o caso – de fazermos os layouts num momento e só depois, beeem depois (meses!) desenhar mos as páginas em si.

Nesses casos, uma coisa que sempre reviso é: espaços para textos. Vamos combinar: quando desenhamos layouts nem sempre (cof cof!) temos noção do tamanho dos balões de texto. E a melhor forma de resolver isso é já inserir os balões na montagem e colocar os textos e balões antes de mais nada (para mais detalhes, ver aqui ). Como fiz no layout da página 13, os quadros 2 e 3 são mais largos do que altos, o que coloca problemas sérios para a inserção de texto. Resultado: voltei à divisão tradicional e o arranjo de espaço ficou bem melhor.

Layout x Lápis - Composição p13_layout_w
Layout da página 13 original (2015). Notar os quadros 2 e 3 com altura insuficiente para inserir textos.
Layout x Lápis - Composição p13_lápis_w
Desenho da lápis da página 13 no novo layout: divisão mais tradicional, mas distribuição mais “arejada” para imagens e textos!

Depois disso, sempre confiro a composição. Como é possível ver na versão layout e versão lápis, a mudança de câmera ou ponto de vista muda a perspectiva, o que pode resultar em linhas compositivas mais dinâmicas (a linha do horizonte é vermelha, as azuis e amarelas são correspondentes aos dois pontos de fuga usados para desenhar a cena). Ou seja, mais diagonais, mais inclinadas, mais sugestivas de movimento e profundidade de campo.

Layout x Lápis - Composição p13_layout_linhascomposit
Layout da página 13 original (2015), mostrando as linhas compositivas menos inclinadas e menor profundidade de campo. O efeito é mais “achatado”.
Desenho da lápis da página 13 e suas linhas compositivas.
Desenho da lápis da página 13 e suas linhas compositivas.. Aqui, com a mudança de ponto de vista, ficaram mais inclinadas, mais sugestivas de movimento, tridimensionalidade e profundidade. A profundidade dá composições mais interessantes, com massas compositivas mais variadas em tamanho.

Essa é só uma amostra do processo de criação e mudanças que ocorrem ao longo dele. Quanto mais aprendemos, mais podemos aperfeiçoar nosso trabalho, porém, não podemos nos deixar paralisar pela insegurança. Fazer é a melhor forma de aprender.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s