“No acampamento dos ‘catarinas'”

Você sabia que Porto Alegre “importou” operários de Santa Catarina para trabalhar nas suas grandes obras urbanas da década de 1920?

Pois nesta rara reportagem sobre o quotidiano de trabalhadores como estes, é possível ver as condições de trabalho e a visão que se tinha do trabalho como valor em si. Especialmente numa época em que a transição do trabalho escravo para o trabalho livre, os discursos oficiais em torno dos trabalhadores e do trabalho se davam muito no sentido de glorificar o esforço e a diligência, despolitizando questões como direitos a descanso e moradia, ou a justeza das remunerações. No caso desta reportagem, pode-se notar a descrição “pitoresca” das fendas nas paredes do galpão em que os catarinenses estavam acomodados, porém chama a atenção para o que o repórter considera como alimentação insuficiente para o trabalho exigido.

Estudo de trabalhadores. Lápis e bico de pena sobre papel de sketchbook. Autora: Ana Luiza Koehler, 2018.

A cidade havia a recém passado por o que provavelmente foi seu primeiro estremecimento nas relações entre trabalhadores e empregadores, na famosa Greve Geral de 1917, então é preciso ler matérias como estas com bastante cautela. Nela, nota-se ao final um certo grau de infantilização dos trabalhadores, que ainda não tinham sua cidadania e direitos plenamente reconhecidos.

Abaixo, parte da matéria do Correio do Povo de 17/1/1929 sobre os canteiros de obras que se multiplicavam pela Porto Alegre da década de 1920:

“No acampamento dos ‘catharinas’[1]

Terminava a nossa jornada de investigação cujos fructos consideramos a justa paga dos esforços alegremente dispendidos.

Volvemos, então, os olhos para o reducto dos ‘Catharinas’, como pittorescamente foram alcunhados por seus proprios colegas os operarios do Estado limitrophe que se encontram trabalhando na capital.

Seu numero attinge a 500 mais ou menos e moram todos, como tivemos opportunidade de alludir em outro local desta nota, num acampamento junto a estação do Riacho[2].

Para ali nos dirigimos ao meio dia, hora especialemente indicada não só porque a colonia se encontra reunida para as refeições como tambem por auxiliar o apanhado photographico.

Minutos depois nos encontravamos em pleno reducto catharineta; um pittoresco ajuntamento de cinco galpões de madeira e zinco dos quaes dois de grandes dimensões e tres bem menores.

O primeiros delles, á esquerda de quem entra, apresente esse dístico a cal ‘Galpão dos polaco’. Seu interior, cujo aspecto se reproduz em pequenas variantes nos demais, é de um colorido suggestivo:

Leitos das formas mais varias e extravagantes, malas, bahús e uma infinidade de objectos e utensilios familiares, tomam-n’o totalmente numa interessante confusão.

Nas paredes collam-se folhas em aberto de jornaes, paginas de revistas illustradas, addiccionando ao principio decorativo o espirito pratico de evitar a entrada do ar nocturno pelas trinchas.

No segundo galpão uma graciosa legenda indicava a existencia ali do ‘Restaurant Fogões  de ‘Latta’, nelle fomos encontrar um dos capatazes de turma que nos prestou varios informes, em parte registrados, auxiliando-nos tambem, quanto a obtenção de photographias que, accrescentou, só poderiamos obte-las no pateo do acampamento.

Aceitamos o alvitre e descemos a pequena escada que nos conduzira até o quarto do nosso ‘cicerone’.

Os catharinas preparavam o seu repasto. Alegres, cantavam uma velha [?] de compassos lentos, motivo da sua terra natal, trechos esparsos de algum canto ingenuo de ninar…

Sua pronuncia é caracteristica e cantante. A phrase de rapido enunciada, muitas vezes, até, confuzo tem qualquer coisa de escala em solfejo.

Riem-se. Não querem se deixar retratar. Um delles chega a dizer que nós desejamos ‘fazer troça delles’. Outro pergunta em que cinema vão levar ‘aquella fita’. Informamos que não se trata de filmagens, o ‘Correio do Povo’ deseja fixar, numa de suas paginas a sua suggestiva ‘colonia’.

“Tres flagrantes suggestivos dos ‘catharinas’ á hora do almoço.” Correio do Povo, 17/1/1929.
Fotógrafo desconhecido, reprodução da pesquisadora.

Deixam-se convencer e o resultado ahi está nesses grupos sorridentes emprestando ao descolorido da chronica o tom vivo de uma alegria sem malicia.

Vem depois o almoço. Aqui se torna necessario dizer que achamo-lo insufficiente e desprovido dos elementos necessarios ao trabalho em que se empenham as energia que elle deve manter em pleno e saudavel equilibrio:

Um prato cheio de feijão com farinha acompanhado de um naco de carne, cuja quantidade e principio nutritivo não se indicam como os mais aconselhaveis.

Mas a alegria barulhenta dos ‘catharinas’ de novo nos distrahe a attenção. Brincam. Dizem pequeninas perficias, num ar jocoso de creanças contentes.

Deixemol-os lá. Seu contacto nos deixou uma impressão de encantamento, com a ingenua felicidade que os anima, dentro do seu sonho constante de regresso. Porque a alegria do proximo tambem e feita um pouco das nossas proprias e melhores alegrias…”

[Autor desconhecido]

Referências:

Correio do Povo, 17/1/1929, p. 9. Hemeroteca do Arquivo Histórico Municipal Moysés Vellinho de Porto Alegre.


[1] A grafia original foi mantida.

[2] Referência à ferrovia do Riacho, linha férrea que fazia transporte primeiramente de esgoto cloacal para fora da cidade, no início do século XX, e depois de passageiros da região da Praia de Belas à zona sul de Porto Alegre. Ficava próxima ao Areal da Baroneza e Cidade Baixa, territórios de ocupação negra e modesta à época.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s