As quadras perfuradas pela abertura da avenida Borges de Medeiros

No seguinte quadro do volume 2 de Beco do Rosário, reconstituo o momento inicial das demolições de antigos casarios de uma quadra do centro histórico de Porto Alegre para a abertura da avenida Borges de Medeiros. Como mostra o desenho, é interessante notar que este trecho da grande avenida que se originou na antiga rua General Paranhos e hoje corta a península de Norte a Sul (conforme a fotografia de satélite) não era originalmente um beco a ser alargado, mas sim uma quadra consolidada de prédios comerciais e residenciais que faziam frente à Prefeitura e ao Mercado Público.

Quadro da história em quadrinhos Beco do Rosário (vol. 2) mostrando a demolição parcial da quadra em frente à antiga Prefeitura. No canto esquerdo inferior, parcialmente, o Mercado Público e a Prefeitura; acima, a Praça XV, junto dela, o Edifício Malakoff. Lápis e nanquim sobre papel, de autoria da pesquisadora.

Ou seja, tratava-se de um trecho importante de construções em uma quadra altamente valorizada que tiveram de ser desapropriadas afim de abrir a grande avenida que resolveu o problema da ligação entre a zona portuária ao norte e a zona sul da cidade, até então separadas pelo espigão da península sobre o qual o centro histórico de Porto Alegre se situa. Assim como esta quadra, outras duas (entre a atual rua José Montaury e a Rua dos Andradas, e entre a Rua dos Andradas e a Rua Andrade Neves) tiveram de ser parcialmente demolidas para a abertura da avenida Borges de Medeiros. O termo mais preciso talvez seja “perfuradas”, uma vez que apenas um trecho específico das construções são demolidos para abrir caminho a uma via nova.

De acordo com Célia Ferraz de Souza (2010, p. 131), esse tipo de intervenção urbana exemplificado pela demolição de quadras como no caso desse primeiro trecho da avenida Borges de Medeiros chama-se percée, ou perfuração, em francês. Como o idioma denota, o termo tem origem na tradição urbanística francesa, especialmente nas intervenções do Barão de Haussmann na Paris de meados do século XIX, abrindo grandes boulevares. A autora traz a definição de Pinon (2002, p. 13, apud Souza, 2010) dessa intervenção que fez parte das obras de remodelação urbana de Porto Alegre:

Uma percée é uma abertura de uma via pública nova, que necessita de recursos para desapropriação, que atravessa um tecido urbano constituído. […]

Por fim, Souza comenta que “A própria avenida Borges de Medeiros, nas primeiras quadras junto à praça 15 de Novembro, teve de cortar a rua dos Andradas, a via mais valorizada da cidade” (p. 132). De fato, tanto a quadra já consolidada em frente à Pefeitura quanto a quadra seguinte, configurando a Rua dos Andradas, tiveram de ser “perfuradas” na intervenção urbana.

Em vermelho, trajeto atual da avenida Borges de Medeiros, mostrando como corta a península ligando a encosta norte da cidade à encosta sul. Edição da pesquisadora sobre foto de satélite do Google Maps, 2019.
Situação atual do espaço da avenida Borges de Medeiros (em vermelho) junto ao Mercado Público (ao alto, construído em 1872) e à Prefeitura (à esquerda, construída em 1901), mostrando em rosa as quadras cortadas pelas demolições ainda na década de 1920.

Para desenhar essa parte da história, vali-me de diversas fotografias da época que documentam as obras da avenida, cujo desaterro envolveu mesmo o uso de explosivos, dando uma dimensão de sua importância e magnitude. Nelas, é possível ver a configuração original de prédios da quadra, com o famoso Edifício Malakoff à esquerda, junto à Praça XV, e a atual rua Uruguai, antigo beco da Ópera, que faz esquina até hoje com a antiga Prefeitura.

Fotografia parcial da Praça XV e atual Praça Montevideo no início do séc. XX. A seta indica o ponto da quadra em que as demolições se deram na década de 1920. à esquerda, o Edifício Malakoff (construído na década de 1860). Fotógrafo desconhecido, acervo da Fototeca Sioma Breitman do Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo.

Outra imagem mostra ainda o início das demolições, provavelmente na segunda metade da década de 1920, deixando apenas um pequeno lote entre o Edifício Malakoff e o rasgo da futura avenida. Posteriormente, o Malakoff foi demolido e, junto à avenida Borges de Medeiros, ao seu lado, foi construído o Edifício Guaspari.

Fotografia do final da década de 1920 mostrando as obras em torno do Edifício Malakoff. à direita, a abertura da avenida com a demolição dos prédios da quadra. Fotógrafo desconhecido, acervo da Fototeca Sioma Breitman do Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo.

Essa reconstituição de paisagem urbana é tarefa sempre presente na produção desta história em quadrinhos, e se torna ainda mais frutífera quando busco na história do urbanismo no Brasil os princípios que embasavam as intervenções urbanas, como as percées que se originaram na remodelação de Paris sob Haussmann. Com eles, fica mais fácil buscar na documentação de acervos fotográficos, jornalísticos e literários os indícios de como era a cidade quando dessas transformações, e pode-se “redesenhá-la” de forma a também informar o público leitor e trazer uma reflexão sobre o seu espaço urbano e suas transformações ao longo do tempo. Afinal, a cidade é algo vivo, em constante transformação conforme as necessidades de seus habitantes e as disputas políticas que nela se desenrolam.

Referências:

SOUZA, Célia Ferraz de. Plano Geral de Melhoramentos de Porto Alegre: o plano que orientou a modernização da cidade. Porto Alegre: Armazém Digital, 2010.
PINON, Pierre. Atlas haussmannien. Paris: Parigrame, 2002.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s